16 de dezembro de 2009

Oficina 1 - TP1

Nos dias 23 e 26 de novembro as turmas A e B reuniram-se para estudar as unidades 1 e 2 do TP1.
Como este TP traz como temática principal “Linguagem e Cultura”, as cursistas Maria de Fátima e Cláudia Oliveira trouxeram dois textos muito pertinentes, cujos títulos são “Nóis mudemo” e “Confissão do cabôco”. Ambos os textos retratam a questão das variações linguísticas, o dialeto regional tipicamente representado pelo indivíduo da zona rural e, ainda, no primeiro, os problemas decorrentes do preconceito linguístico.
Após a leitura dos textos pelas cursistas, foi aberto um turno de fala para que os professores expusessem suas experiências a partir de situações em que a fala do aluno exerceu influência negativa sobre seu desempenho ou que, assim como no texto, motivou atitudes preconceituosas.
Concluídos os comentários, passamos aos relatos das atividades realizadas e, em seguida, ao estudo dos temas “Variantes linguísticas: dialetos e registros” (unidade 1) e “Variantes linguísticas: desfazendo equívocos” (unidade 2).
Feitas as considerações a partir da leitura dos principais destaques sugeridos pelos cursistas e também dos esclarecimentos dados aos pontos que suscitaram dúvidas, passamos à realização, em dois grupos, das atividades propostas na parte III da oficina (pp. 169 a 171).
A conclusão a que chegamos foi que muitos são os elementos envolvidos na construção da fala de qualquer indivíduo e que, dependendo da exposição aos diferentes fatores externos, esta pode apresentar traços evidentes de cada um desses elementos. Por esta razão, quanto maior for o contato dos alunos com textos diversos, que contemplem as variedades linguísticas utilizadas nas mais diferentes esferas sociais, mais condições estaremos dando a eles para desenvolverem suas competências linguísticas e, assim, saberem se expressar com propriedade nas diferentes interações cotidianas pelas quais todos os falantes passam.
Após realizarmos a socialização das respostas dadas, solicitei a leitura das duas últimas unidades do TP, combinamos alguns detalhes do nosso seminário de avaliação e encerramos o nosso encontro.

4 de dezembro de 2009

Oficina 4 - TP2

Nos dias 16 e 19 de novembro as turmas A e B se reuniram para realizarmos a segunda oficina do TP2.

Iniciamos o nosso encontro retomando os pontos principais sobre as definições de gramática interna, gramática reflexiva e gramática normativa, contidos na primeira unidade deste TP e estabelecendo uma ponte com o conteúdo exposto na unidade seguinte, cujo tema é frase, oração e período. Vimos que estes temas, que, a princípio, parecem remeter a uma ideia de ensino tradicional de regras e de conceitos prontos, podem perfeitamente receber uma abordagem contextualizada, explorando-se o texto não como pretexto, mas como fio condutor e como a unidade mais importante da aula.

Em seguida, e antes de darmos continuidade ao estudo das duas unidades, foi aberto o espaço para os professores apresentassem seus relatos sobre a atividade realizada com a turma (e mais uma vez, poucos foram os que conseguiram cumprir a tarefa pelos mesmos motivos apresentados anteriormente). A cursista Fernanda contou-nos que realizou com sua turma do Ensino Médio o avançando da página 51 e que o resultado obtido foi muito bom, porque os alunos gostaram da atividade e porque eles perceberam o quanto a entonação dada no momento da leitura pode influir na interpretação das intenções do autor.

Concluídos os relatos passamos ao estudo das unidades 7 e 8, iniciando o nosso estudo pela leitura do ampliando nossas referências, fazendo uma reflexão sobre a influência a importância da arte nas nossas aulas de português. Fizemos em conjunto algumas das atividades propostas e também algumas leituras dos pontos relevantes. Falamos bastante sobre linguagem figurada e, nesse ponto, discutimos as diferentes abordagens que podemos dar ao ensino das figuras de linguagem, sem nos apegarmos à memorização de conceitos ou de nomenclaturas muitas vezes de difícil compreensão para os alunos e sem aplicabilidade concreta em sua fala usual.

Sobre a atividade sugerida na oficina a partir da charge de Quino, esta foi realizada coletivamente devido ao número de cursistas presentes.

Para finalizar, avaliamos a nossa oficina, combinamos as tarefas de casa a serem entregues na próxima semana quando estaremos realizando o estudo da primeira parte do TP1.

Oficina 3 - TP2

Como o dia 2 de novembro foi um feriado nacional, este encontro foi realizado no dia 5 de novembro para as duas turmas. E, para iniciarmos nossa conversa, começamos pela leitura cantada da música “Gramática”.

Em seguida, abrimos o turno de fala para a exposição dos relatos de experiência docente com os “avançando” contidos nas duas primeiras unidades do TP2. Aqui é importante ressaltar que a aproximação do término do ano letivo, associada à parcial incompatibilidade da proposta curricular municipal com aquela defendida pelo Gestar II impossibilitou muitas vezes aos professores a realização das atividades sugeridas pelo curso devido à necessidade de darem conta dos conteúdos oficiais que lhes serão cobrados. Por essa razão, poucos foram aqueles que apresentaram os seus relatos.

E, conforme havíamos combinado anteriormente, iniciamos nosso momento de discussões acerca do conteúdo das duas primeiras unidades do TP, solicitando a cada cursista que expusesse seus registros sobre as partes mais importantes do estudo realizado em cada sessão e também aqueles que, por ventura, tenham ficado obscuros. E o resultado que obtivemos foi tão bom que deu margem a muitas discussões, exemplificações, relatos e comentários diversos, cujo foco principal foi o ensino da gramática normativa e a necessidade de fazer os professores compreenderem que o ensino de língua portuguesa pautado nos gêneros textuais não implica o total abandono do ensino de gramática. O que hoje se defende é um ensino de português que privilegie uma gramática produtiva e reflexiva, contextualizada e que tenha no estudo do texto o seu principal direcionamento.

Tão intensas foram as discussões, sobretudo porque, na maioria das vezes, os professores sabem que precisam mudar suas abordagens, mas ainda lhes falta o domínio das novas estratégias para realmente por em prática tudo aquilo que consideram ser necessário mudar. E nessa discussão sobre o que fazer e como fazer para mudar falamos tanto que a atividade prática proposta para esta oficina não foi realizada devido ao pouco tempo restante para o término do encontro.

Por essa razão, solicitei as tarefas de casa, realizamos uma leitura panorâmica dos avançando na prática propostos nas unidades seguintes, selecionando aquelas que poderiam ser mais apropriadas para o momento letivo e, após avaliarmos verbalmente o nosso encontro, encerramos nossa oficina.

Estudo introdutório TP2

Nos dias 26 e 29 de outubro realizamos, como de costume, o nosso encontro introdutório para estudo das unidades do TP2. Antes de propriamente iniciarmos os nossos estudos, alguns esclarecimentos foram feitos aos cursistas sobre a realização do projeto final, solicitando aos professores que procurem elaborar o projeto preocupando-se mais com a atividade realizada do que com a forma com a qual as informações serão apresentadas.

Em seguida, demos início ao encontro com a exibição do vídeo de Zé da Luz, intitulado “Ai se sesse” para introduzirmos a nossa conversa sobre o ensino da gramática normativa versus a gramática reflexiva e produtiva. Apresentei, ainda, a gravação do júri simulado realizado no encontro de formação em Arraial do Cabo, onde o ensino de gramática foi posto em julgamento.

Feitas as considerações a respeito dos assuntos tratados nos vídeos, em paralelo aos tópicos das unidades que compõem o TP, passamos à leitura dos textos de referência, cujas estratégias adotadas foram as seguintes: o primeiro foi lido em conjunto e comentado por todos aqueles que tivessem algo a dizer sobre ele; o segundo foi lido em dois grupos e, a partir do conteúdo nele apresentado, deveria ser produzida uma síntese com as principais ideias nele contidas.

Após fazermos a apresentação das sínteses, dividimos as sessões das duas primeiras unidades do TP2, ficando cada cursista responsável por, no nosso próximo encontro, apresentar os registros feitos sobre a leitura da sessão que ficou sob sua responsabilidade.

Para terminar, fizemos uma leitura panorâmica das atividades “avançando na prática” para que os professores já fossem observando aquelas que melhor se adéquam às necessidades de suas turmas.


Oficina 12 - TP6

Este encontro, ocorrido nos dias 19 e 22 de outubro, teve como foco principal o estudo da unidade 23 do TP6, cujo tema é “O processo de produção textual: revisão e edição”. A razão para que, diferentemente dos demais encontros, fizéssemos o estudo de apenas uma das unidades é porque a unidade 24 foi elaborada para ser aquela que encerraria o Gestar II e, sendo assim, julgamos conveniente deixá-la para concluir o curso, após o estudo de todos os TPs.

Antes de iniciarmos efetivamente o nosso estudo, apresentei aos cursistas uma mensagem em homenagem ao dia do professor e falamos um pouco também sobre a Semana de Valorização do Profissional de Educação, realizada pela Secretaria Municipal de Educação nos dias 13, 14, 15 e 16 de outubro com a apresentação de diversos palestrantes como o Dr. Jairo Bauer, a contadora de histórias e cantora Bia Bedran, a psicanalista Dra. Ana Beatriz Silva, o contador de histórias Roberto Carlos Ramos entre outros.

Concluída esta etapa inicial, começamos as nossas discussões sobre o tema da unidade focando as nossas atenções nas sugestões que são apresentadas sobre como realizar as etapas de revisão e de edição dos textos produzidos pelos alunos. Nestas, a utilização de fichas para revisar e editar, e ainda as práticas que podem levar à ineficácia do processo de revisão foram os pontos que mais interessaram aos professores e que mais geraram comentários.

Durante as discussões, relatos foram apresentados sobre como os professores tem agido nesse sentido em suas turmas e sobre os ajustes que consideram importantes fazerem para melhorar suas práticas.

Convém ressaltar que nesse momento de discussão, o que mais me chamou a atenção foram as ideias apresentadas pelos cursistas para melhor conduzir esses processos de revisão e edição do texto. E o mais interessante foi que eles não estavam apenas teorizando sobre como melhorar a prática, eles estavam de fato criando condições reais, a partir da teoria estudada, para pôr em prática em suas aulas de produção de texto. Isso é fantástico porque eles realmente compreenderam a importância de mudar suas estratégias em benefício de um ensino mais produtivo e verdadeiramente eficaz.

Para concluir, realizei a exibição dos slides contendo um ‘resumão’ daquilo que havíamos estudado nas três unidades deste TP, cujo título é “O que é preciso saber para bem escrever”, o qual foi repassado aos formadores no encontro de Arraial do Cabo.O encontro foi encerrado com a solicitação da leitura com registros do TP2 para o nosso encontro na próxima semana.

Oficina 11 - TP6

Nos dias 5 e 8 de outubro realizamos a oficina relativa às unidades 21 e 22 do TP6. Entretanto, além desse estudo houve um primeiro momento todo dedicado à apresentação para os cursistas dos pontos altos da II etapa de formação do Gestar II, ocorrida em Arraial do Cabo, na semana anterior. Para tanto, fiz uma exibição de slides com flashes do encontro, apresentei a eles um pouquinho do rico material organizado pela formadora Guiana Brito (e entregue aos formadores municipais), e apresentei também sob a forma de slides o relatório da avaliação processual da 1ª etapa do programa.

Iniciamos o segundo momento do encontro com a exposição dialogada dos principais assuntos contidos nas duas primeiras unidades do TP, momento este que constitui uma rica oportunidade de troca de saberes, de acréscimo de informações acerca dos temas em questão, exemplificações e associações da teoria com a prática de sala de aula. É também um excelente espaço para esclarecermos nossas dúvidas e reavaliarmos as nossas posturas frente aos novos desafios que são hoje impostos aos professores de língua materna.

Em seguida, alguns cursistas socializaram suas experiências com o “avançando”, mas devo ressaltar que a maioria alegou não ter tido tempo hábil para realizá-lo porque acabaram de sair de uma semana de provas bimestrais e tudo o mais que envolve o fechamento de um bimestre letivo.

Falamos também sobre nosso calendário de encontros para o segundo semestre e, em seguida, retomamos a discussão acerca da produção textual da forma que geralmente é trabalhada pelos professores e a produção textual que realmente se espera que os professores de hoje desenvolvam com suas turmas. Esse foi um tema gerador de muitas discussões e, por essa razão, a atividade prática proposta na oficina 11 ficou como tarefa de casa a ser entregue no nosso próximo encontro.

E aí está um dos textos produzidos para concluir a crônica de Moacyr Scliar. Este trabalho foi feito pela cursista Sandra Valoura, da turma B:

“Levantou, se vestiu e dirigiu-se lentamente para a porta, se virou e deu uma longa olhada para a mulher, como a perguntar “é mesmo necessário ir até lá?”

E ela nada disse. Ficou inerte a espera que ele tomasse alguma providência.

Então, o marido saiu fechando a porta atrás de si. A mulher ainda o viu atravessando a rua e...

Quando ele voltou, dois dias depois, ainda com vestígios da farra, entrou, tomou banho diante do olhar incrédulo da esposa, deitou-se e dormiu novamente.”

22 de outubro de 2009

"Amigas para sempre!"

video